“Malba Tahan vai à escola: história, matemática e memória” com Prof.ª Cristiane Coppe

Num card de fundo azul claro e azul escuro localiza-se centralizado no topo os escritos "Portal do Bicentenário convida para:" e abaixo seguido do símbolo do Youtube "Aulas de História da Matemática e da Educação Matemática nos 200 anos de Brasil". Mais abaixo vê-se os escritos "Aula 01: Malba Tahan vai à escola: história, matemática e memória" e "29/03 às 17:30". Nas laterais esquerda e direita vê-se a foto dos palestrantes, cada um em um quadrado, com seus nomes embaixo de cada foto. Na esquerda localiza-se a Professora Romélia Mara Alves Souto (UPSJ) e o Professor. Romário Freire (Rede Estadual de Ensino da Bahia). Na direita está a Professora Cristiane Coppe de Oliveira (UFU) e Natan Cunha Fernandes (UNEB). Centralizado no rodapé do card está a logo do Portal do Bicentenário e Anped e o símbolo de acessibilidade.

Imagem divulgação retirada do Instagram @portaldobicentenario

Professora Cristiane Coppe inaugura série de vídeos sobre a história da educação matemática no Brasil com aula “Malba Tahan vai à escola: história, matemática e memória”.

O Portal do Bicentenário é um projeto que se propõe a dialogar sobre a educação brasileira e lutar por uma história nacional plural que comporte as diversidades de nossa nação e dos diferentes povos que nela vivem.O Portal disponibilizará um conjunto de séries educativas e entre elas estará a temática “Histórias da Matemática e da Educação Matemática nos 200 anos de Brasil”, que teve sua primeira aula publicada no dia 29 de março deste ano ministrada pela Prof.ª Dr.ª Cristiane Coppe de Oliveira. A série já possui duas aulas publicadas e conta com intérprete de libras.

Aula 01: “Malba Tahan vai à escola: história, matemática e memória”.

Palestrante professora Cristiane Coppe de Oliveira (UFU). Mediação pelo Portal professora Romélia Mara Alves Souto (UFSJ).

“A Matemática é descoberta ou invenção? Está ao alcance de todos ou é privilégio de poucos? É produto de talentos individuais ou resulta de interações socioculturais, políticas e ambientais? De onde vem a aura de superioridade dos conteúdos matemáticos nos currículos escolares? A Matemática é realmente modelo de raciocínio lógico? Por que é ainda louvada como “rainha das ciências”? Essas e outras questões podem ser elucidadas pela História da Matemática e da Educação Matemática. A Matemática tem uma história intimamente associada à história do seu ensino. Uma história repleta de contradições e incertezas, feita de memórias e esquecimentos que ficaram impressos no mundo herdado pelas novas gerações. Produzir e contar as Histórias da Matemática nos ajuda a perceber essa disciplina como produto sociocultural, como uma das muitas manifestações da diversidade e da comunicação humanas. Por meio dessas histórias, podemos compreender a natureza da Matemática, de seus objetos e de seus métodos, refletindo sobre seus processos de produção e difusão com reflexos importantes no seu ensino. Por meio de episódios da História da Matemática e da Educação Matemática nesses 200 anos de Brasil, pretendemos motivar a discussão de questões éticas, políticas, sociais e culturais associadas à atividade matemática, ao seu ensino e à sua inserção na diversidade cultural brasileira.”

Conheça o Portal do Bicentenário

Mais informações no site:
portaldobicentenario.org.br/

Se inscreva no canal do YouTube e assista outras aulas:
https://www.youtube.com/channel/UCNwMrKh174dEIH-b1vwMe_g

Prof.ª Cristiane Coppe de Oliveira

É Professora do Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências e Matemática da Universidade Federal de Uberlândia (UFU/MG). É diretora da Sociedade Brasileira de Educação Matemática — SBEM/Regional MG; diretora de Estudos e Pesquisas Afrorraciais da UFU; membro do Grupo de Pesquisas em Etnomatemática — GEPEm-USP. Investiga a importância da inserção da história e cultura africana, afro-brasileira e indígena no currículo em Matemática.

 

______________

Veja outras notícias sobre Malba Tahan em nosso site.

Gostou do conteúdo? Comenta aqui embaixo.

Siga a página oficial do Malba Tahan no Facebook: @MalbaTahanOficial

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.